terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Crítica: Bioterapia - O Monstro do Futuro (1986)


''Me dê a fórmula!''

Esse é uma daquelas típicas Pérolas Trash japonesas e oitentistas... Só de mencionar já da pra imaginar como é a coisa, o filme tem meros 35 minutos e é do ano de 1986, com direção de Akihiro Kashima. Este filme atende por "Biotherapy". Mais uma crítica de um filme para se ver em família. Filme surrealista, que deixa as obras de Spielberg no chinelo, em quisito Ficção, muito viajado e simplesmente demais...

Ataque de urso monstro intergaláctico do futuro

Filme de média-metragem, feito para quem não gosta de enrolação e tem o péssimo hábito de ser impaciente com cenas de morte, eu diria, mortes estas, do qual este filme está repleto, do começo ao fim. O clima é anos 80 total, desde seus efeitos audiovisuais até os tipos de roupas e carros usados no Filme.

Essas caretas já valeriam o filme, 
mas de brinde, tem muita morte brutal...

Esse é o máximo que você provavelmente pode ter de um Trash oriental com mais de meia hora de duração, que envolva um enredo legal, personagens até que bem apresentados e mortes "marcantes".
Trash oriental é sempre a mesma coisa... O Cinema oriental é bem peculiar, um tipo de lugar que produziu abertamente o "subgênero" de filmes bizarros '80 até '90, em larga escala quantitativa, lá não tem meio termo para violências grotescas, e facilmente pode ser encontrados filmes como este, com relevantes toques de humor estranho.

Cadê a porra da fórmula truck GT?

Na simplória história, um misterioso e praticamente hilário sujeito tortura e assassina as pessoas os doutores de um laboratório e seus envolvidos, em busca de uma fórmula chamada ''Fórmula GT'', um cara com uma voz de Pitch (falando parecido com aquelas pessoas que dão entrevista pra televisão pedindo para não serem identificadas). 

"Biotherapy" em vários aspectos me lembrou de Darkman, A Vingança sem Rosto (Sam Raimi), a começar pelas cenas de tortura em laboratórios, bem familiar, um homem de chapéu, capa preta e com o rosto vendado que mata pessoas com requintes de crueldade, quem assistiu ao Darkman sabe como é, não vou spoilar... Só tem um pequeno detalhe, este filme veio praticamente 3 anos antes dele, então acredito que é certo dizer que Darkman lembra este filme, em suma, o personagem ''intergaláctico''.

Corre molecada, fudeu

Um sujeito hilário assassina as pessoas, bom isso eu já falei... Mas eu não citei que o cara emana uma luz potente, como de um refletor, toda vez que aparece em algum lugar é essa onda de luz, onde, não ficou nitidamente claro, mas aparentemente é para onde ele se teleporta. Um "ser" que veio de um futuro 500 anos luz, numa capsula do tempo em busca de uma tal fórmula que faz com que os animais e plantas cresçam exponencialmente em várias vezes o seu tamanho, na metade do tempo... Até ai "tudo bem", mas o engraçado da história é que o tal ser se julga superior, vindo de seres evoluídos, como alienígenas, mas mesmo assim, é um baita "psico",  icônico!

Já era parceiro

Peculiaridade de filme oriental, temperamento próprio das pessoas do Japão, passa bem a forma que eles são e como agem sem querer desmerecê-los. Um filme que vale a pena, única e exclusivamente por suas mortes, sádicas, violentas, sangrentas e criativas, mortes que são o humor negro em pessoa. O filme praticamente inteiro partiu pro elemento de dublagem, técnica muito usada e bastante conhecida, que causa bastante efeito na película, dando um tom mais ''profissional'' ao filme. Tem uma ótima edição.



A morte faz a festa, um verdadeiro banquete...

Atuação sem graça. Digna de todos os piores prêmios do Cinema. Um filme bem interessante, bom para se divertir, e para quem se diverte assistindo mortes violentas. Repleto de falhas graves de roteiro ou mesmo bom senso, como o monstro com a incrível habilidade de se teleportar correndo atrás de carros e outras cenas medonhas...

Um exemplo de falha clássica nesse filme, que mal pude deixar de notar, um homem após ser esfolado na porrada pelo tal monstro, com suas tripas todas, praticamente arrancadas e penduradas, fazendo uma observação importante sobre um assunto, observação esta que leva em torno de uns quatro a cinco minutos, antes de dar seu suspiro definitivo, sua reação é como se simplesmente tivesse tomado um tiro no joelho, até parece que doi, mas não é mortal... (hahaha) Genial.


Matou o "véii".

Para você que vê entretenimento nas bizarras mortes de filmes como ''Basket Case'', ''Re-Animator'', ''Evil Dead II'', entre outros grandes, indico este filme, tem grandes chances de te agradar... Mas se eu fosse você não assistiria com grandes exigências.

Vamos partir para os elementos cinematográficos... Primeiro de tudo, Fotografia, sensacional, um Trash perfeito, desde o clima VHS clássico, antiquado e 100% inlavável. Atuação pessimamente ótima, parece que os caras estavam lendo direto do Script, na atuação pedrada, fora as cenas onde morrem, bom, eu nunca vi cadáver piscando o olho e mexendo os braços, cadê os troféus de papelão?... Trilha Sonora podrera e com cara de teclado de 300 dólares lançado em 1980, perfeito! Que mais posso dizer? Efeitos Especiais, é simplesmente surreal! Maquiagem, não preciso nem falar... Só olhar as fotos acima.
Enfim... Gosta de filmes do tipo? Assista! Recomendo.



Nota: 7.0
Crítica originalmente por Hugo Haizer



Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário