Crítica: Um Pistoleiro Chamado Papaco (1986)


''Aposto que não foi o cu de sua mãe...''

Pode rir da minha cara, mas ainda continuo a achar que ''Um Pistoleiro Chamado Papaco'' aka. Amores de Um Pistoleiro de 1986 está entre os melhores filmes já produzidos no Brasil... Para de rir porra Eu sei que você discorda. Se você não concorda, pelo menos pode concordar com o fato de que ele é um daqueles filmes que de tão ruim ele passa fica bom, é a velha química que os filmes do tipo possuem, é único. O esforço pra alcançar uma ruindade sob humana e extremamente rústica é o que chama atenção aqui. Com direção de Mário Vaz Filho. E toda essa criação pode-se dizer que é uma forma célebre de comemorar o fim de décadas de ditadura militar no Brasil, que afetou grandemente na cultura e cinema brasileiro acarretando num verdadeiro atraso cultural e filmes água com açúcar dos mais chatos, apesar do pornô ter seu público seleto até pra época, mas a ditadura já era uma ideologia que não estava muito forte em meados da primeira parte da década de 80 e sofria cada vez mais do desafeto popular devido às restrições e como o próprio nome já diz, ditadura! Agora então, com via seu fim, a putaria foi liberada a torto e direito.


- Ei seu bunda mole!
- Falou comigo?- Não gracinha, falei com a puta que te pariu!
- Ainda bem... Até um outro dia.

Como falas assim são divertidas, e só de pensar que por muito menos Eastwood mataria quem se atrevesse a se tratar assim para com ele. Pornochanchada clássica! Filme que faria Clint Eastwood chorar e rir, é de um nível de zoeira que só os brasileiros conseguem atingir não tenha dúvidas, nem os japoneses chegam perto, só quando o assunto é bizarrices. Com uma pata em Spaghetti Westerns da vida, quer dizer, nem sei se posso afirmar isso, é Spaghetti Western COMBO Pornochanchada sem por nem tirar, aí a história muda de figura completamente. Bons tempos, definitivamente, tempos do cinema nacional que não voltam mais... O tempo passou, e parece que só piorou, e olha que agora a gente se importa de verdade, naquele tempo o foda-se era instantâneo, sem se falar que hoje a tecnologia é outro papo.


Estrelando Fernando Benini como Papacú, o pistoleiro homossexual que atinge dos dois lados, na frente e atrás, e que mesmo quando não pega no revólver fode com a pistola. Papaco é o Eastwood do mundo gay, com cara de mal, roupa escura e uma mira ótima. O filme é repleto de forasteiros gays, e héteros depravados, que pra variar, tem por grande hobbie comer um cu...

O Filme tem uma inegável ''influência'' de Por um Punhado de Dólares (1964) de Sergio Leone, várias coisas são nitidamente chupadas. Apesar do filme conter varias cenas de sexo gay, as cenas são mais pra divertir do que um sexo explícito, propriamente...


Com vocês algumas das falas marcantes:


- Falou comigo?
- Perfeitamente

- Sabe que você é um cara muito abusado!
- Minha mãe já dizia isso...
- Onde ela está agora? Dando o cu na zona...
- Quem sabe pode até ser...
- Você é um corno sem vergonha...
- Obrigado.
- Vou te mandar pra puta que pariu!
(Bang Bang)


Outra cena:

- É coisa pra macho, você precisa experimentar...- Comigo não! Do meu só sai, cu foi feito pra cagar!


Num dos filmes com as mais geniais falas da história do cinema brasileiro, e porque não, mundial, o filme é um pérola completa. Se você tiver paciência pra palavrão, porque a palavra cu é uma das mais ditas neste filme, é cu pra lá, cu pra cá, é uma merda é diferente, fora os insultos supérfluos, que são de se admirar. Das coisas que mais me chamou atenção neste filme a fala vem em disparado. Depois, sem sombra de dúvidas, se tem a história, um tanto quanto peculiar. E por último, essa junção que juz ao Pornochanchada, como um dos gêneros mais divertidamente criativos do cinema que já se fez em toda a América, eu diria até, que é muito mais criativo que Bollywood e outros.


O final é surpreendente e ainda deixa espaço para reflexõesTrilha Sonora chupada dos grandes filmes de Spaghetti Western (Filmes de Bang Bang) dos anos '70, à lá Eastwood, e outros clássicos. Fotografia dispensável, parece que filmaram o filme com aqueles MP5, e é um dos pontos fracos do filme. O Cenário é engraçado, não tem grandes coisas, mas realmente é bem pobre, parece uma coisa anos 60, acho que a idéia é proposital. Eu recomendo, é diversão garantida! E tá inteiramente disponível para ser assistido, censurado às versões de sexo explícito.



Crítica: Um Pistoleiro Chamado Papaco (1986) Crítica: Um Pistoleiro Chamado Papaco (1986) Reviewed by H. Haizer on 23:11:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.