Pular para o conteúdo principal

Crítica: Glen ou Glenda? (1953)

Título Original: Glen or Glenda | Títulos alternativos: Aka. I Led 2 Lives | Diretor: Edward D. Wood Jr.| Roteiro: Edward D. Wood Jr. | Estrelando: Edward D. Wood Jr., Bela Lugosi, Lyle Talbot | País: Estados Unidos | Lançamento: Abril de 1953 | Orçamento: 20 mil dólares (estimado) | Tipo: Preto e Branco| Gênero: Drama | Duração: 65 minutos originalmente –  74min. (relançado em 1984, EUA) – 68min. (relançado oficialmente em DVD, EUA) | 61min. – Edição menor, EUA
Há quem considere este um dos piores filmes de todos os tempos por se tratar de um dos piores e mais mal-avaliados da carreira do Ed Wood, certamente eu discordo, e quem fala isso não pode ser levado a sério, mas eu atribuo isso a algumas coisas como a participação quase que paralela e extremamente "filosófica" de Bela Lugosi ao filme, e claro a obra toda, por seu tema incompreendido já que aborda um universo distinto dos sexos normais, filme este que hoje pode-se dizer que é um cult dentre os cults e talvez nem merecesse tão pouco. Ele tem seu charme.

O efeito de prego enferrujado do filme

Este filme é o exemplo mais que perfeito de que um filme, qualquer ele que seja, e independente de quão polêmico seja o tema que aborde, que uma obra inteligente pode estar infinitamente a frente do seu tempo, transcendendo o tempo com suas formas de mensagens, e aliás, o que temos visto no cinema atual têm sido quase o oposto de uma evolução inteligente, diga-se de passagem.



Glen or Glenda funciona como uma cutucada violenta com um prego enferrujado numa ferida fresquinha e com band-aid de cor da pele e mexe com as estruturas mais comuns de tabus, preconceitos e conservadorismos esdrúxulos pra época dos anos 50 (na qual o filme foi realizado), mas que cai como uma luva para os dias de hoje, o nível de "aceptatividade" de termos como gays e travestis ainda causam certo desconforto na orelha de muitos homens mundo afora, e essa é a maior prova de que o filme funciona muito bem em sua proposta, mesmo mais de 60 anos depois. Envelheceu bem!

De qualquer forma, o filme dá explicações em cenas que o preconceito parte de ambos os sexos, é uma questão social, e um problema de sentimento, logo que só quem passa pela situação de não estar se sentindo realmente confortável em sua própria pele, em suas maneiras e estilo de vida e afetivo, que sabe como é de verdade, o fato de ser tratado com desigualdade.


Como o filme diz em outras palavras: Nós devemos ter o poder pra controlar se queremos ser mulher ou homem, quem sabe nenhum dos dois, isso entre nós e nós, nem digo Deus porque segundo os criacionistas ele já ditou por você, mas a própria ciência tá ai pra provar diariamente que a natureza e Deus são idéias opostas, e que todo ser humano deve ter livre arbítrio conforme sua espontânea vontade de ser ou não de determinado sexo, conforme a maneira como se sente.

Não há como negar o quanto o filme frisa o comum preconceito de quem releva a condição de integridade psicológica do cidadão que quer usar roupas do sexo oposto.

A saudosa inteligência do cinema antigo

Com toda a elegância inteligente presente nos monólogos filosóficos de contexto sociocultural o filme dá as cartas sem medo de perder o jogo, é um filme que mostra a bizarra realidade sem analogias muito enigmáticas.

Apesar de tudo, e por mais "chocante" que possa ter sido, o filme lida com coisas normais, poderia ser tranquilamente interpretado como um filme que explora o universo feminino presente em cada homem, com a devida diferença de porcentagem em cada personalidade.

O legal de tudo em Glen or Glenda são as formas como se apresentam idéias. Glen, o sujeito em caso pode representar com perfeição muitas pessoas que até hoje que se sentem atraídos pelo universo feminino mas têm medo de se exporem pela retaliação preconceituosa previsível, e ficam aprisionadas num dilema, infelizes. Parece que tais pessoas a sociedade não evolui nunca, só se molda lentamente conforme cada nova e grande polêmica; Os costumes se transformam mas os hábitos sociais ficam, e as pessoas criam regras baseadas nas únicas outras regras de comportamento que ditam os "tabus" de toda uma sociedade, um ciclo quase interminável. É o que penso.

O exemplo do chapéu




Em certa parte do pensamento do filme vemos uma humilde comparação, a forma como o homem usa chapéu e como a mulher o usa. "Sete a cada dez homens usam chapéis. Sete a cada dez homens são calvos. Mas e as mulheres?". O desconforto desnecessário em demonstrar continuamente toda a virilidade presente no universo masculino da época era impressionantemente bobo. Logo que muitos dos homens que ficavam calvos até antes da meia-idade por usar chapéis apertados incessantemente, causando assim a própria calvice. Enquanto que as mulheres sempre colocam o conforto em primeiro lugar.

Este efêmero exemplo demonstra um lado muito simples das coisas e um pensamento muito direto, não há porque ter vergonha de gostar de se vestir como mulher, homens colocam o estresse e necessidade de estarem sempre bem-mal vestidos acima do conforto de cada dia de usar roupas simples e com isso, demonstra uma irracionalidade masculina que das mais simples, faz orgulho a qualquer homem somente pensar em querer ser mulher.

Então, o filme pode se resumir a uma palavra: Conforto. O filme não relute em fazer você se perguntar: Se sente confortável com o sexo que 'tem'? Pense duas vezes, não há nada de errado em achar que você pode estar enganado. Temos de ser felizes como somos, ou poderíamos ser.

Lugosi, o lado sinistro

Monólogo de abertura:
"A constante busca do homem
pelas coisas desconhecidas...
Extraídas da esfera
infinita do tempo...
Trazem à luz, muitas coisas
surpreendentes.
Surpreendentes?
Porque parecem ser novas. Súbitas.
Mas a maioria não é nova.
O sinal dos tempos...
A vida começou."


Iconicamente, Bela Lugosi é um mestre nesse filme, apresenta a introdução (que por si só já é uma obra-prima) e narra todo o filme de forma sinistra e assimilada, algo que realmente parece não fazer sentido algum muitas das vezes, mas que conforme há um avanço da história até que incrivelmente vai fazendo sentido. Em partes que mais lembram teatro, onde partes por si só não aparentam significar nada, muito pelo contrário, causam uma extrema confusão, a junção de tudo e complexidade de todo um contexto funciona com esplendor e nos faz pensar bastante.

Um fato interessante do Glen or Glenda é o Terror nas "entre-linhas", um filme que no meu humilde entender deve causar pânico, mas principalmente visto do ponto de vista de alguém que vive algo parecido com o personagem protagonista, com todos os dilemas sociais e tudo mais, até talvez por isso seja tão incompreendido até pra Ed Wood.


Todos que tem interesse por filmes que abordam o tema de transgêneros devem conferir esse, por mais que não goste de filmes antigos ou do cinema do Wood, é uma boa, pelo menos faz refletir.

Curiosidades

- O filme foi um dos primeiros a abordar tão abertamente o universo transsexual, inclusive foi duramente criticado e aceito pelo estúdio que o produziu, que alegaram muito chocante pra época.

- Um fato bem curioso é que além de Ed Wood ter estrelado no filme como Glen (ou Glenda) ainda de acordo com a segunda esposa dele, Kathy O'Hara, a mãe de Wood, Lillian, o vestia com roupas de menina quando ainda criança, porque ela sempre sonhou em ter uma filha. Para o resto de sua vida, Wood seguiu levando esse hábito infantil, apesar de ter se mantido sempre como heterossexual, apaixonado com a sensação de angorá em sua própria pele.

- A cirurgia de mudança de sexo de Christine Jorgensen que ganhou as manchetes dos períodicos nacionais dos Estados Unidos em 1952 foi a inspiração para o produtor George Weiss resolver financiar um filme para faturar com o fato. Wood convenceu Weiss que ele era o melhor para dirigir o filme (Wood se travestia de mulher na vida real). Contudo, o filme falava sobre travestis, diferente do encomendado. Wood então colocou cenas extras sobre a cirurgia de mudança de sexo.

- Esse foi o único filme dirigido por Wood que não foi produzido por ele mesmo. Ele convenceu Lugosi, na época empobrecido e drogado, a aparecer no filme. Wood interpretou o personagem-título, mas nos letreiros usou o pseudônimo de "Daniel Davis".1 Sua namorada Dolores Fuller interpreta a namorada de Glen. Fuller não foi avisada do travestismo de Wood, nem conhecia detalhes do roteiro. Wood raramente se vestia de mulher quando ela estava no set. Quando Fuller assistiu ao filme, disse que ficou humilhada com a experiência.

- Outro travesti chamado Glenda aparece na novela de Wood Killer in Drag.

- No filme de Tim Burton, a produção do filme "Glen ou Glenda?" é contada com destaque, sendo reencenadas várias cenas com Johnny Depp no papel de Ed Wood.

- Um remake pornográfico do filme chamado Glen & Glenda foi realizado em 1994 com o mesmo roteiro mas com inserções de cenas de sexo explícito.

- No filme O filho de Chucky, os bonecos malévolos Chucky e Tiffany chamam seu filho de "Glen ou Glenda".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

35 imagens em preto e branco dos bastidores de "O Exorcista" (1973) em alta definição!

Sem sombra de dúvidas, um dos filmes mais adorados do gênero de Terror é O Exorcista (1973) de William Friedkin, o filme mais clássico e marcante de exorcismos que o mundo já viu, e para tira gosto (eu sei que é muito pouco) mas deixou aqui essas 35 imagens em preto e branco dos bastidores de "O Exorcista" (1973) em alta definição! Em breve tem mais, não esqueçam de curtir, seguir e fiquem a vontade para comentar o que quiserem comentar.



























E como esquecer... Dessas? Clássicas.






Fonte das imagens: Todas retiradas no Google, melhoradas.
Todos os direitos reservados aos autores das imagens, uso sem fins lucrativos.

10 Episódios indispensáveis de Contos da Cripta

Você quer assistir ao Contos da Cripta mas não tem tempo ou paciência para enfrentar 2.340 minutos (ou 39 horas) de episódios? Tudo bem, iremos dar a recomendação de 10 episódios essenciais e os melhores de todos, na minha humilde opinião de fã de carteirinha da série... Até porque muitos episódios não valem a pena e outros com exceções de elenco ou curiosidades, não é caso destes 10 eps. Todos são excelentes, de uma forma ou de outra, e são indispensáveis por estarem acima da média, indicado para fãs de Terror anos 80 e 90.

Um fato é que a maioria dos eps. da série contou com plot twists, reviravoltas, coisas que te pegam de surpresa no finalzinho, e isso foi difícil de se esquivar até mesmo nessa lista variada, de seasons variadas, sendo que quatro ou cinco episódios podem ter essas características, mas são todos bons e possuem seus diferenciais, e do primeiro ao quinto são os melhores que já vi da série, indiscutivelmente para mim (podendo alterar as ordens, com exceção do primeir…

Os brilhantes mapas dos Estados Unidos e Europa representados por filmes de terror!

Um usuário do imgur publicou algo muito curioso: Todos os estados dos Estados Unidos da América com suas respectivas localidades e estados e dando uma referência de vários grandes filmes de terror foram filmados, uma em cada estado.

Isso me deu a ideia de fazer esta postagem, é sempre interessante conhecer sobre esse tipo de coisa, e olhando por esses mapas temos uma percepção diferente, mais próxima, de alguma forma. Bem curioso pela trivia, fora casos peculiares de obviedades como Texas Chainsaw Massacre, que todos sabem onde foi feito, é legal conhecê-los dessa outra maneira. Confira:

*Vou deixar um mapa com os nomes dos estados abaixo.





E se você pretende visitar lá... Cuidado!



No entanto, essa ideia de um mapa com filmes de terror não é tão nova. Há um tempo atrás alguém do blog Reddit postou um super-mapa com diversos filmes do gênero por estado, você pode confirir aqui o PDF original em alta qualidade. Ou, caso prefira, clicar na imagem abaixo, para abrir uma nova janela.



E par…