Pular para o conteúdo principal

Crítica: Henry – Portrait of a Serial Killer, Part 2 (1996)

Título Original: Henry: Portrait of a Serial Killer, Part 2
Lançamento: 14 de Agosto de 1996
Direção: Chuck Parello | Roteiro: Chuck Parello
Estrelando: Penelope Milford, Neil Giuntoli, Mike Houlihan
País: Estados Unidos | Linguagem: Inglês americano
Local de filmagem: Clarendon Hills, Illinois, EUA
Duração: 84 minutos | Orçamento: Desconhecido



Muito fã de Terror nem sequer sabe da existência dessa sequencia, está longe do calor receptivo que o primeiro filme recebeu, embora a continuação tenha feito rigorosamente quase tudo semelhante ao que lhe antecede, Retrato de um Assassino, de 1992 (lançado quatro anos antes) e que precisa-se dizer, foi um dos divisores de águas na carreira de Michael Rooker, papel incrível que lhe caiu como uma luva, casando impressionantemente com sua atuação mais generosamente fria e incauta na pele extremamente antipatia de Henry, um psicopata sórdido.

Neil Giuntoli (Brinquedo Assassino (1988), Ameaça do Espaço (1991) e Contos da Cripta (1992), entre outros) então foi o encarregado, como um novo protagonista para reviver Henry, a árdua tarefa de entregar uma atuação tão marcante quanto antes, em frente a tudo que Rooker fez, e infelizmente não chegou a tal ponto.




Não dá para dizer que o esforço de Giuntoli foi em vão, o problema é outro, é de roteiro – criatividade e finalidade de uma obra. Basicamente Henry: Portrait of a Serial Killer 2 não teve a ousadia necessária para sair do casulo do filme original e se tornar um sucesso assoado por sua diferença, como bem que poderia, ao invés disso se limitou ao mesmismo mediano, por isso essa sequência é tão esquecida, só de falar que é a parte 2 do Henry muita gente já torce o nariz.

Voltando a escolha de Giuntoli para o papel... Bem, é até fácil de entender, além de buscarem um ator sorrateiramente semelhante com Rooker (sua feição não consegue ser tão imparcial quanto a do Rooker, mas nem a pau), ele também é um ator que topava na data filmes de menos prestígio financeiro, coincidentemente, um mal no qual Rooker também se viu em meados do ano 2000, vindo a realizar muitas porcarias só pela grana da atuação.


E a propósito, já que citei o Neil Giuntoli, quero aproveitar para deixar a sugestão de um excelente episódio do Contos da Cripta no qual ele estrela ao lado de David Morse (Fenda No Tempo (1995) e Sexta-Feira 13 – A série), "showdown"4ª temporada, episódio 8 1992, fica recomendado para quem curtiu esse filme e quem pode ter interesse em conhecer mais sobre a carreira deste ator incógnito.

Um tanto quanto irônico, Henry II tem o papel de continuar exatamente (ou quase exatamente) de onde o outro terminou, e repete muito do mesmo, termina com certas semelhanças também.


E apesar de tudo, tenho de reconhecer, é um filme mais que bacana para uma feita de baixo orçamento, não tem quase nada de tão novo que não tenhamos visto antes mas ele trás de volta a simplicidade violenta que tanto nos cativa no primeiro Henry, uma pena não ter sido com o ator original, deve ter havido divergências de opiniões entre os produtores sobre a necessidade de uma continuação, já que esse filme é tão inconclusivo e não apresenta uma grande identidade que seja novidade.

Henry II trás o regresso de uma identidade visual nada simpática, aquela Fotografia crua de antes, e nisso não há o que reclamar em contraposto ao primeiro filme, mesmo feito quatro anos depois, ainda assim conseguiu capturar bem essa pegada característica e essencial que faz Henry tão especial.



A semelhança com o primeiro Henry é o que mais meu chamou atenção, sem dúvidas, reaproveita 75% da fórmula do original, muitas das cenas inclusive, na cozinha com a dinâmica entre os protagonistas, isso só um detalhe familiar. Ai temos a história, novamente Henry se apaixona por uma mulher problemática que vive com pessoas problemáticas (emocional e socialmente), ai então ele faz amizade com um sujeito que não é flor que se cheire... O filme se repete bem igual.

Neste filme nos é apresentado um novo coadjuvante insano, Kai (interpretado por Rich KomenichHorror Em Amityville (2005),  O Observador (2000), No Tomorrow (2005), entre outros). Com uma grande diferença de natureza que o distingue: Ele no fundo não é um assassino. Mas com a amizade estranha e apática construída por Henry, e após lhe oferecer um serviço mal remunerado, se vê preso na armadilha da ingenuidade após apresentar a seu apresentar uma oportunidade de trabalho ilegal, que paga bem.


Logo a má companhia de Henry se torna de uma má amizade para uma influência macabra em sua vida. Após perceber que o amigo é um psicopata, Kai e Henry se vêem atados um ao outro por causa de segredos, um convívio esquisito e problemas de confiança, e graças a Kai (um das melhores cartas inventivas desse filme) pudemos ter uma nova perspectiva da mente conflitada e perturbada de Henry.

Uma das coisas mais legais nesses filmes é que o bem nem sempre necessariamente precisa vencer, no fim das contas, retrata esse lado realista em que um assassino e psicopata pode muito bem sair invicto, sem pagar por todo e qualquer mal que ele tenha ocasionado a outros "de bem".



Muita gente discute sobre esta continuação, tratada como desnecessária, menosprezada e subestimada, eu vejo com olhos um pouco diferentes, mas não há como discutir que tinha muito mais potencial.

Um entre outros detalhes interessantes nessa sequência é que trouxe mais perspectivas sobre Henry Lee Lucas, famoso serial killer que influenciou estes filmes, a sequência trás várias referências a diversos outros serial killers também.

Enfim, todo aquele que viu e gostou do estilo do primeiro deveria dar uma chance a essa sequência, como já citei (e até excessivamente) pode se parecer em muito com o antecessor mas tem sim seus diferenciais e todo fã de filmes de psicopatas e serial killers deveriam dar uma chance.

Comentários

  1. Esse filme é ruim demais mas a cena da decaptação é foda hahahushaushausha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

35 imagens em preto e branco dos bastidores de "O Exorcista" (1973) em alta definição!

Sem sombra de dúvidas, um dos filmes mais adorados do gênero de Terror é O Exorcista (1973) de William Friedkin, o filme mais clássico e marcante de exorcismos que o mundo já viu, e para tira gosto (eu sei que é muito pouco) mas deixou aqui essas 35 imagens em preto e branco dos bastidores de "O Exorcista" (1973) em alta definição! Em breve tem mais, não esqueçam de curtir, seguir e fiquem a vontade para comentar o que quiserem comentar.



























E como esquecer... Dessas? Clássicas.






Fonte das imagens: Todas retiradas no Google, melhoradas.
Todos os direitos reservados aos autores das imagens, uso sem fins lucrativos.

10 Episódios indispensáveis de Contos da Cripta

Você quer assistir ao Contos da Cripta mas não tem tempo ou paciência para enfrentar 2.340 minutos (ou 39 horas) de episódios? Tudo bem, iremos dar a recomendação de 10 episódios essenciais e os melhores de todos, na minha humilde opinião de fã de carteirinha da série... Até porque muitos episódios não valem a pena e outros com exceções de elenco ou curiosidades, não é caso destes 10 eps. Todos são excelentes, de uma forma ou de outra, e são indispensáveis por estarem acima da média, indicado para fãs de Terror anos 80 e 90.

Um fato é que a maioria dos eps. da série contou com plot twists, reviravoltas, coisas que te pegam de surpresa no finalzinho, e isso foi difícil de se esquivar até mesmo nessa lista variada, de seasons variadas, sendo que quatro ou cinco episódios podem ter essas características, mas são todos bons e possuem seus diferenciais, e do primeiro ao quinto são os melhores que já vi da série, indiscutivelmente para mim (podendo alterar as ordens, com exceção do primeir…

Os brilhantes mapas dos Estados Unidos e Europa representados por filmes de terror!

Um usuário do imgur publicou algo muito curioso: Todos os estados dos Estados Unidos da América com suas respectivas localidades e estados e dando uma referência de vários grandes filmes de terror foram filmados, uma em cada estado.

Isso me deu a ideia de fazer esta postagem, é sempre interessante conhecer sobre esse tipo de coisa, e olhando por esses mapas temos uma percepção diferente, mais próxima, de alguma forma. Bem curioso pela trivia, fora casos peculiares de obviedades como Texas Chainsaw Massacre, que todos sabem onde foi feito, é legal conhecê-los dessa outra maneira. Confira:

*Vou deixar um mapa com os nomes dos estados abaixo.





E se você pretende visitar lá... Cuidado!



No entanto, essa ideia de um mapa com filmes de terror não é tão nova. Há um tempo atrás alguém do blog Reddit postou um super-mapa com diversos filmes do gênero por estado, você pode confirir aqui o PDF original em alta qualidade. Ou, caso prefira, clicar na imagem abaixo, para abrir uma nova janela.



E par…